Buscar

Carência para Parto em Plano de Saúde

Atualizado: Jul 26


Fernanda acabou de receber uma notícia que mudou sua vida, imagina o que foi? Isso mesmo, ela descobriu que está grávida.


Ela e seu cônjuge comemoraram junto à família e muito felizes decidiram começar a fazer os preparativos para o bebê, o que incluía comprar roupinhas, pensar em nomes e decorar um novo quarto em sua casa.


Antes de tudo isso, no entanto, Fernanda decidiu contratar um plano de saúde para poder realizar os exames necessários com tranquilidade e poder ter um melhor atendimento durante o parto.


Ela até conseguiu realizar os exames, mas teve uma surpresa pois não se atentou a um ponto específico, a carência para parto.


Se você ainda não sabe, carência é o período em que o beneficiário precisa aguardar para poder utilizar determinados serviços do plano de saúde após a contratação. Esse prazo de espera é necessário para segurança financeira da operadora e é devidamente regulamentado pela ANS. Saiba mais aqui.


Algumas operadoras de saúde reduzem o tempo de cumprimento de carências para determinados casos, por exemplo, quando o cliente passou um tempo mínimo no plano de saúde anterior. Desse modo, as operadoras de saúde conseguem oferecer um benefício extra, agregando valor e atraindo o cliente potencial. Existe, no entanto, um tipo de carência que, salvo em casos a parte, dificilmente é reduzida. é a carência de Parto a Termo, que explicaremos mais a frente.


Segundo as regras da Agência Nacional de Saúde (ANS) sobre carências, existem basicamente três grupos de carência para procedimentos, conforme imagem abaixo.

Normalmente, as operadoras de saúde modificam o tempo de carências para o grupo das "Demais Situações", que inclui procedimentos como: consulta eletiva, exames simples e complexos e internação, por exemplo. Mas, o que é e por que não reduzem a carência do Parto a Termo?


Continue lendo e entenda bem como funciona e o que você e a Fernanda têm direito nesta situação.


O que é Parto a Termo?


Uma gestação normalmente dura em média 40 semanas, o parto a termo é o período entre a 38ª e 42ª semana de gestação, momento ideal para garantir a saúde da mãe e do bebê, antes e depois do parto. Partos que acontecem antes da 38ª semana de gestação são chamados de parto pré-termo, ou parto prematuro, quando por algum motivo de saúde é necessário realizar o parto a fim de evitar complicações para a mãe e o bebê.


Essa carência de 300 dias é especificamente para o parto a termo, ou seja, em casos de haver a necessidade de um parto prematuro, a operadora é obrigada a cobrir o procedimento se o beneficiário tiver cumprido pelo menos o tempo de carência para internação, que é de até 180 dias.


O que acontece se chegar a hora do parto e o beneficiário não tiver cumprido o período de carências para o procedimento?


Em caso de parto prematuro sem que o beneficiário tenha cumprido o tempo de carência para internação, a operadora irá realocar a mãe para um hospital público caso a mesma não tenha como arcar com as despesas do parto de forma particular.


Da mesma forma acontece com o parto a termo, se o beneficiário ainda não tiver cumprido o período de carências para parto no dia do parto, a operadora irá realocá-la para um hospital público caso a mesma não tenha como arcar com as despesas do procedimento de forma particular.


Se o parto for prematuro mas o beneficiário já tiver cumprido o período de carência para internação, o que o plano cobre para o bebê?


Independente de ter sido parto pré ou a termo, nos primeiros 30 dias de nascido, o bebê tem total direito no plano de saúde dentro do mesmo tempo de carências cumpridas que a mãe. Após estes 30 dias de nascido, o bebê já precisa estar ativo como novo beneficiário no plano, pois passado esse prazo, a operadora deixa de cobrir procedimentos para ele.


É importante lembrar que a solicitação de inclusão de novo beneficiário deve ser feita assim que o bebê nascer, e não no final dos primeiros 30 dias após o nascimento.


Isso é recomendado porque se no 31º dia de nascido o bebê já estiver ativo como novo beneficiário, ele terá todas as carências completamente zeradas, mas, se neste mesmo dia o bebê ainda não estiver ativo como beneficiário do plano, quando for feito o procedimento de inclusão ele terá de cumprir todas as carências contratuais com as reduções ofertadas pela operadora.


Como a Fernanda deixou para contratar um plano de saúde apenas após a gravidez, infelizmente o parto dela não será coberto pelo plano, a menos que, por algum imprevisto, o bebê nasça de forma prematura.


Para que não aconteça com você uma situação parecida com a que aconteceu com a Fernanda, deixamos o aviso: não deixe para contratar um plano de saúde de última hora.


Ter atenção aos prazos e ao período de carências torna possível que o parto e outros procedimentos aconteçam no hospital esperado, com a cobertura do plano de saúde e sem surpresas de última hora.


#CuidamosDissoPraVocê



Saiba Mais sobre Como Reduzir os Custos do Seu Plano de Saúde


"...Normalmente, as opções menos custosas são os Planos Coletivos Empresariais, estas que ainda são divididas em tabelas até 29 beneficiários e tabelas até 99 beneficiários, sendo possível a negociação de preço e sinistralidade para contratos empresariais a partir de..."

Ler Mais

Como Ficam os Planos de Saúde Durante o COVID-19?


"...Desde a chegada do novo coronavírus ao Brasil, todos tem se mobilizado em prol da segurança e saúde dos brasileiros. Ficando em casa, usando máscaras de proteção, evitando aglomerações, e lavando sempre as mãos, juntos, estamos todos em combate contra o coronavírus..."

Ler Mais

1,219 visualizações