Buscar

Como se Prevenir Contra o Câncer de Pulmão?


Não há como pensar em respiração e não pensar nos pulmões, não é? Tendo como principais funções a oxigenação do sangue e a eliminação do gás carbônico, os pulmões são órgãos extremamente essenciais para a vida, e devemos estar atentos à saúde deles.


Uma complicação grave que pode atingir os nossos órgãos que lidam com o ar que respiramos é o câncer de pulmão, quando tumores malignos se desenvolvem neles ou atingem eles (através da metástase). Infelizmente, este câncer é muito comum e com uma chance de cura reduzida, tendo como consequência uma alta taxa de mortalidade. O Instituto Nacional de Câncer informa que aproximadamente 13% de todos os novos casos de câncer são casos de câncer de pulmão.


Há duas categorias principais, nas quais o câncer que se desenvolve no pulmão pode ser classificado:


Câncer de pulmão de células não pequenas: Este tipo é o mais frequente, tem como característica o seu desenvolvimento mais lento.


Câncer de pulmão de células pequenas: Este tipo é menos frequente, e tem como característica a agressividade e rápida propagação.


A maioria das pessoas que desenvolvem ambos os tipos de câncer de pulmão são diagnosticadas apenas em uma fase avançada da doença, muitas vezes quando este já se espalhou para outras partes do corpo.


Quais são os fatores que favorecem o desenvolvimento do câncer de pulmão?


O cigarro é o principal responsável pelos casos de câncer de pulmão, aproximadamente 85% dos casos diagnosticados estão relacionados ao fumo de cigarros e ao consumo de tabaco e outros derivados dele.


Outros fatores que podem favorecer o desenvolvimento do câncer de pulmão são:


  • Exposição constante à poluição do ar;

  • Exposição a metais pesados e agentes químicos cancerígenos;

  • Infecções respiratórias de repetição;

  • Enfisema pulmonar;

  • Bronquite crônica;

  • Fatores genéticos;

  • Histórico familiar de câncer de pulmão.


Quanto maior for a exposição que uma pessoa teve ao tabaco durante sua vida, maior é a taxa de mortalidade em caso de desenvolvimento de câncer de pulmão. O INCA alerta que a taxa de mortalidade pelo câncer de pulmão em pessoas fumantes é aproximadamente 15 vezes superior se comparada à de uma pessoa que nunca fumou. Já no caso das pessoas que abandonaram o fumo, essa taxa chega a ser 4 vezes superior se comparada à de uma pessoa não fumante.


Quais são os sintomas do câncer de pulmão?


Um grande perigo é que o câncer de pulmão não costuma apresentar sintomas até que esteja em uma fase avançada. Em alguns casos, no entanto, pessoas com estágio inicial do câncer podem apresentar os sintomas, e estes são:


  • Rouquidão;

  • Cansaço;

  • Intensa falta de ar;

  • Dor no peito;

  • Expectoração com presença de sangue;

  • Perda de peso;

  • Falta de apetite;

  • Tosse persistente.


Complicações


O tumor pode causar o estreitamento das vias aéreas, ou bloqueá-las. Em caso de bloqueio de vias aéreas, a parte do pulmão preenchida pela via aérea afetada pode entrar em colapso. Esta situação pode também causar falta de ar, pneumonia, febre e dor na região do tórax.


Se o tumor se desenvolve dentro da parede torácica, pode resultar no acúmulo de líquido entre o pulmão e a parede torácica, causando assim dores no peito e insuficiência respiratória.


Quando o câncer se espalha pelos pulmões, o nível de oxigênio no sangue cai consideravelmente, o que causa insuficiência respiratória e, possivelmente, insuficiência cardíaca.


Além destas, existem diversas outras complicações graves que o câncer de pulmão pode causar.


Como ocorre o diagnóstico?


O diagnóstico é feito inicialmente através do exame de raio X na região do tórax, juntamente com a tomografia computadorizada. Posteriormente, para que haja uma avaliação da árvore traquebrônquica, é realizada uma broncoscopia e também a biópsia, para a confirmação do diagnóstico.


Uma vez que há a confirmação do câncer de pulmão, são feitos outros exames para avaliar o estágio da doença e também se ela se encontra localizada no pulmão ou se já se espalhou para outros órgãos, processo conhecido como “estadiamento”.


Como é feito o tratamento?


Para o tratamento, são levados em consideração fatores como:


  • Tamanho do tumor;

  • Se o tumor está localizado nos pulmões;

  • Se o tumor se espalhou para linfonodos próximos aos pulmões;

  • Se o tumor se espalhou para órgãos mais distantes dos pulmões;

  • Situação da saúde do paciente.


Em pacientes com câncer localizado, o tratamento é feito de forma cirúrgica, podendo ou não incluir radioterapia e quimioterapia.


A cirurgia consiste na remoção do tumor e dos linfonodos próximos aos pulmões. Infelizmente em cerca de 80% dos casos a cirurgia não é possível devido à doença já estar em estágio avançado e o paciente estar em um estado de saúde debilitado.


Em pacientes onde o câncer está localizado no pulmão e também nos linfonodos, o tratamento utiliza da quimioterapia e da radioterapia.


Em pacientes onde houve a metástase (o câncer se espalhou para outros órgãos) o tratamento utiliza da quimioterapia, e, em alguns casos, de medicações baseadas em terapia alvo.


É importante lembrar que a quimioterapia não é suportada por todos os pacientes.


O câncer de pulmão é altamente letal e o seu prognóstico tende a ser negativo. O INCA informa que:


“A taxa de sobrevida relativa em cinco anos para câncer de pulmão é de 18% (15% para homens e 21% para mulheres). Apenas 16% dos cânceres são diagnosticados em estágio inicial (câncer localizado), para o qual a taxa de sobrevida de cinco anos é de 56%.” (Instituto Nacional de Câncer, 2020)


Embora seja mais raro o aparecimento dos sintomas deste câncer quando o mesmo está em estágio inicial, caso aconteça, uma atitude que ajuda no diagnóstico precoce do câncer é a procura por atendimento médico, principalmente se os sintomas não desaparecerem após alguns dias. O diagnóstico precoce permite melhores resultados no tratamento.


O rastreamento (realização de exames sem sintomas ou sinais, em pessoas do grupo de risco) pode ser uma opção a ser considerada e feita caso seja de vontade própria da pessoa, e se for comprovado que ela faz parte do grupo de risco de desenvolvimento da doença. O rastreamento também pode resultar em uma detecção precoce do câncer.

Como é possível então se prevenir contra o câncer de pulmão?


A principal ação contra o câncer de pulmão é evitar ou abandonar o fumo, convidamos você a ler o nosso artigo Diga NÃO ao Fumo, onde você poderá encontrar mais informações sobre os danos que o cigarro e os derivados do tabaco causam à saúde, assim como dicas de como se libertar do tabaco.


Outra atitude de prevenção é evitar a exposição a substâncias cancerígenas e evitar estar em ambientes onde há muita poluição do ar.


Não permita que atitudes evitáveis (como fumar tabaco e derivados) tirem sua vida.


Referências: Instituto Nacional de Câncer, Dr. Drauzio Varella, Manual MSD



#CuidamosDissoPraVocê



Diga NÃO ao Fumo


"...O tabagismo não é algo pequeno ou não alarmante, talvez algumas pessoas pensem isso devido à grande quantidade de pessoas que são adeptas aos cigarros e devido à facilidade de encontrá-los em diversos pontos de vendas, mas o tabagismo é reconhecido como uma doença crônica, como resultado da dependência à nicotina, substância que está presente nos produtos que têm tabaco em sua composição, como o cigarro..."

Ler Mais


Como Evitar o Câncer de Estômago?


"...O câncer de estômago é de alto risco e pode levar à morte, maiores complicações ocorrem quando há a metástase, ou seja, quando o câncer se espalha do seu ponto de origem para outros órgãos e regiões do corpo..."

Ler Mais

10 visualizações